Juntarmo-nos



O âmago do programa “Son-Rise” é juntarmo-nos às nossas crianças no seu mundo para podermos criar com as mesmas uma relação carinhosa e de aceitação, que é o principal desafio de uma criança autista.
Passei horas e horas a juntar-me às actividades repetitivas e de exclusão das nossas crianças nos playrooms no programa “Son-Rise” e alguns dos meus momentos favoritos aconteceram quando me juntei aos seus “ismos”.
Para que possam ter uma experiência mais satisfatória quando se juntarem às vossas crianças nos seus “ismos”, aqui vão alguns conselhos:
1)     Lembrem-se de que esta é a melhor maneira de mostrarem à vossa criança o quanto a amam e o quanto se querem juntar, conectar com ela, especialmente quando ela não demonstra que se quer juntar ou conectar com vocês;
2)     Experimentem distanciarem-se fisicamente da vossa criança quando estiverem a juntar-se aos seus comportamentos. Notámos que, com algumas crianças, quanto mais distância física existir, mais as mesmas relaxam e aceitam a vossa presença junto delas;
3)     Criem um “retrato visual” de tudo o que estão a ver; tomem atenção a todos os detalhes do comportamento da vossa criança e tentem encontrar algo nele que vos seja agradável, que vocês possam amar ou gostar;
4)     Quanto mais se juntarem agora à vossa criança, mais tempo a mesma terá para descansar e aceitar uma nova interacção (com maior conexão) mais tarde;
5)     Criem o vosso próprio espaço no quarto. Se a vossa criança está a cirandar à volta de uma mesa ou se está a alinhar objectos, em vez de a seguirem à volta da mesma mesa ou de utilizarem os mesmos objectos usem outro móvel que possa servir como vossa mesa ou usem outros objectos; assim não irão infringir o espaço físico ou os objectos que são só da vossa criança;
6)     O “ismo” da vossa criança é algo que lhe é útil – ela está a cuidar dela mesma ao regular, dessa forma, o seu sistema de processamento sensorial; ao criar, para si própria, uma sensação de controlo e de previsibilidade do mundo;
7)     Divirtam-se! Mostrem animação; sorriam ou riam; tenham uma “luzinha” nos olhos enquanto fazem o mesmo que a vossa criança está a fazer;
8)     Quanto mais se juntarem, mais irão aprender! Quanto mais tempo se juntarem, quanto mais profundamente se juntarem, mais conseguirão saber porque é que a vossa criança faz o que faz e quais são as suas motivações e interesses. Isto vai ajudar-vos a tornarem-se mais próximos da vossa criança e a terem mais conhecimentos sobre como a ajudarem;
9)     Relaxem, desfrutem, sejam fáceis e controláveis: Se a vossa criança aceitar as coisas que vocês estão a introduzir no seu comportamento, celebrem o facto e tentem introduzir outras coisas; se a criança vos disser para estarem quietos, sejam rápidos a responder a essa ordem e reduzam-se ao silêncio. Não olhem fixamente para a vossa criança, à espera que a mesma vos dê reconhecimento; relaxem, observem a actividade em causa e estejam atentos a qualquer “luz verde” que a criança vos dê;
10)  Estejam sempre cientes do vosso objectivo: se a vossa principal intenção, ao interagirem com a vossa criança, é criarem uma relação com ela então, quer ela tenha um comportamento inclusivo ou exclusivo, irão sempre conseguir isso; vocês estão a tentar aproximar-se dela e, ao mesmo tempo, estão a estimulá-la a aproximar-se de vocês. Além disso, este é um trabalho e esforço de equipa: durante uma hora, vocês juntaram-se à vossa criança no playroom e, na hora seguinte, outra pessoa irá juntar-se a ela, interagir com ela.

Estamos sempre receptivos a outros conselhos e experiências – partilhem-nos connosco e disfrutem!

Becky, Autism Treatment Center of America

Etiquetas: , , ,